Páginas

sábado, 1 de junho de 2013

Carta Aberta à população belenense sobre o Governo Edgard Gama

1. Esclarecemos, publicamente, que as nossas críticas ao Governo Edgard Gama se devem, exclusivamente, às práticas políticas da atual gestão, as quais não condizem com o discurso de continuidade apregoado pelo então candidato Edgard Gama durante a campanha eleitoral do ano passado, e não pela falta de espaço no atual governo, até porque exercemos, desde o início de 2013, cargos importantes nesta gestão municipal, situação que não nos calará.

2. O Governo Edgard Gama se tornou uma republiqueta de assessores e de alguns familiares desconectados da realidade municipal. Meia dúzia de pessoas que tem como objetivo principal induzir um racha político com o casal Roberto Flávio e Renata Christinne, lideranças políticas que colocaram o município de Belém em um patamar de destaque no Estado da Paraíba, e que foram fundamentais para a eleição do próprio Edgard Gama (PMDB), haja vista o alto índice de popularidade do prefeito Roberto Flávio (PMDB) ao concluir seu segundo mandato, alcançando 80% de aprovação, inclusive, com o reconhecimento de eleitores da oposição. Alto índice de popularidade que minimizou, por outro lado, a elevada rejeição ao nome do então candidato Edgard Gama à Prefeitura de Belém, conforme indicava todas as pesquisas de consumo interno durante a campanha eleitoral.

3.  Ressaltamos, ainda, que o Governo Roberto Flávio foi exitoso, e recebeu uma histórica aprovação popular pela sua capacidade de ouvir as críticas e de buscar soluções para a resolução dos problemas. Comportamento democrático que não dava margens para que as nossas críticas, como cidadãos, fossem públicas, já que elas eram absorvidas em diálogos francos preestabelecidos, algo que também fizemos com assessores da atual gestão e com o prefeito Edgard Gama, mas sem êxito, pois persiste a tentativa de negação, de desconstrução do importante legado deixado pela administração do ex-prefeito Roberto Flávio e, contraditoriamente, do próprio Edgard Gama, que durante oito anos exerceu o cargo de vice-prefeito na mesma gestão. Causa espanto Edgard Gama negar a sua própria participação político-administrativa.

4. Reafirmamos, inclusive para a militância que, junto conosco, contribuiu para a eleição de Edgard Gama, que permanecendo as atuais práticas, tanto políticas, de desconstrução da gestão anterior, quanto administrativas, de não observância aos princípios da gestão pública, como a transparência na aplicação dos recursos públicos, ferido, por exemplo, pela ausência de notas fiscais na última prestação de contas dos gastos da momentânea administração municipal – item básico de qualquer órgão público – utilizaremos os espaços que temos para informar e denunciar à sociedade belenense, cada vez mais conectada às redes sociais na internet, tais práticas, mesmo que custem os nossos cargos nesta gestão. Não nos apegamos a cargos em detrimento à nossa liberdade de expressar os equívocos da atual gestão.

5. Se o prefeito Edgard Gama prefere a companhia política de bajuladores de plantão, que sonegam a realidade político-administrativa, ao invés da crítica construtiva de pessoas que arriscaram às suas vidas durante a campanha eleitoral; de militantes que se contrapuseram ao terrorismo midiático local e às poderosas forças político-econômicas do município de Belém (Paraíba), a decisão é, e deve ser exclusivamente dele, de Edgard Gama.

Belém, 01 de junho de 2013.

Cezar Miranda (Secretário Adjunto da Sec. Desenvolvimento Social)
Júnior Miranda (Assessor da Sec. de Administração)
Marcelo Matias (Membro da Executiva Estadual do PT-PB)

Nenhum comentário: