Páginas

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Pepe Mujica: Que tempo vocês têm para amar?

Foto: Rafael Oliveira/Brasil de Fato

Reproduzimos um trecho da matéria, publicada pela Agência Brasil de Fato, sobre a participação do ex-presidente do Uruguai e atual Senador José Alberto Mujica Cordano, o Pepe Mujica, no Seminário "Democracia na América Latina”, promovido pelo Laboratório de Cultura Digital em Curitiba (PR). Confira:

De "carne y hueso"

Na contramão da enxurrada de selfies, Mujica insistia na lição de que é preciso buscar algo mais profundo na vida.

Desrespeitando um pouquinho sua postura que preza pela profundidade, seria possível pinçar das conversas com o senador um ping-pong com frações de respostas. Seria algo mais ou menos assim:

Importância da educação:"Sou menos radical do que Nelson Mandela. A educação é fundamental, mas não podemos colocar na conta da educação todos os erros da política. Apesar disso, ela é fundamental para garantir a tolerância”.

Sobre a descrença dos jovens na política:"O homem é um animal político, já dizia Aristóteles. Mas, no mundo da mercadoria, tudo é um negócio, e se propaga a ideia de que na vida é preciso juntar dinheiro e ser rico. Então se toma a política como um caminho para se chegar a riqueza. A política é a carreira da dignidade e nela deve-se viver como vive a maioria do povo e não como a minoria aristocrática. Mas nunca irão se esgotar as contradições".

Sobre o atual momento político do Brasil:"A conta pendente do povo brasileiro é não permitir que o ódio germine por divergências políticas”.

Momento histórico por qual passa a democracia:"Ah, por favor, a História da humanidade não teve início na Revolução Francesa! Tudo é um processo. Nós temos que nos dar conta que essa é uma luta permanente de mudança e que vai nos custar a nossa existência e levar toda a nossa vida.

Sobre o excesso de fotografias a que foi submetido:"Tire esse objetivo infame da minha frente”.

Pergunta que [Pepe Mujica] deixa no ar: "Que tempo vocês têm para amar?”

Matéria completa no Brasil de Fato

Nenhum comentário: