Páginas

domingo, 19 de fevereiro de 2017

"Não há família ou comunidade que sobreviva sem a experiência do perdão"

Por Pe. Cícero Roberto*

Neste 7º Domingo do Tempo Comum, as leituras nos convidam fazer a experiência da perfeição divina: “Sede perfeitos como vosso Pai é perfeito”, (Mt 5,48). O evangelista Mateus apresenta o perdão em vez de vingança e o Amor em vez do ódio, como sendo a essência do ensinamento de Jesus, o espírito da Lei, (Mt, 5,38-48).

A antiga Lei pretendia limitar o ódio e a prática da violência pela violência, mas, na realidade, tornou-se justificativa da violência. Jesus orienta seus discípulos, como a nós, hoje, a serem Sacramento, ou seja, sinal do amor do Pai. O cristão não pode responder ao violento com a violência, a injustiça com outra injustiça, ao abuso de poder com a resistência agressiva e nunca dizer não ao que lhe pede.

O cristão não pode ficar apenas na observância externa da Lei, porque no coração que ama não há lugar para a maldade, mas para a misericórdia. Somente o perdão e o amor são capazes de vencer a maldade e o ressentimento existente no coração da humanidade descrente. Há um dito popular que diz: “O homem que é homem não leva desafora pra casa”. Isto é vingança, é o olho por olho e dente por dente. É “Lei de Talião” presente na cultura anticristã da “nova sociedade”.

“Não tenhas ódio no coração contra teu irmão. Não procures vingança, nem guardes rancor contra teus compatriotas”(Lv 19,17.18)."Amai os vossos inimigos, e rezai pelos que vos perseguem, se queres ser filho do vosso Pai, que abençoa bons e maus, justos e injustos. Não há recompensa para quem ama somente os bons e justos”(Mt 5,44-46).

Esta é a perfeição da Lei, apresentada por Jesus para o novo povo de Deus, porque o amor ao próximo limitava-se apenas aos que pertenciam à fé judaica, o que, infelizmente, está acontecendo com certos grupos cristãos, ainda hoje.

Somente os que adquirem a sabedoria que brota da Cruz de Jesus e a consciência de pertença à mesma Família Divina, são capazes de viver a solidariedade, a fraternidade e de lutar pela paz. "Sede perfeitos como o Pai celeste é perfeito", (Mt 5,48).

Quando nos exercitamos na prática da misericórdia, do perdão, mesmo sem receber o perdão; do amor, mesmo sem ser amado, nos tornamos filhos (as) de Deus Pai, que "faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos." (Mt 5,45). Somente o Perdão e o amor nos levam a superar o espírito de hostilidade, de vingança, do ódio e do rancor.

Não há vida cristã, familiar ou comunidade que sobreviva sem a experiência do amor, do perdão e da Eucaristia. “Se amais somente aqueles que vos ama, que recompensa tereis? Os pecadores não fazem a mesma coisa? Para os sábios deste mundo é falácia, é loucura. Para os que têm fé, os que amam verdadeiramente a Deus, é sabedoria divina nascida aos pés da Cruz de Jesus. É a Lei do Amor, “é sabedoria de Deus proposta desde o princípio do mundo para nos levar à sua gloria” (1Cor 2,7; 3,18.19).

Para refletir: Quando você reza: o pão nosso de cada dia dai-nos hoje... você pensa nos que passam fome? E quando reza: perdoai as nossas ofensas, assim como perdoamos a quem nos ofendem... Estais disposto a perdoar aos que lhe querem o mal?

*Vigário da Paróquia N. Sra. da Piedade (Arara-PB)

Nenhum comentário: