Páginas

quarta-feira, 15 de março de 2017

Belém (PB) tem ato contra reforma da previdência do governo Temer que retira direitos dos trabalhadores


Servidores públicos e trabalhadores rurais do município de Belém realizaram, na manhã desta quarta-feira (15), um ato em protesto contra a reforma da previdência (PEC 287/16) proposta pelo governo Temer, juntando-se às inúmeras manifestações e paralizações que ocorreram em todo o país neste dia.

Após se reunirem na Escola Municipal Elvira Silveira, os trabalhadores e trabalhadoras saíram em caminhada pela avenida principal da cidade de Belém em direção à Praça Seis de Setembro, finalizando com um ato público.

Os professores da rede municipal de ensino também paralisaram as atividades nesta quarta-feira em protesto contra a reforma da previdência que atinge, especialmente, professores, agricultores e mulheres, pois a proposta de Temer pretende unificar para 65 anos a idade mínima para aposentadoria (hoje é de 60 anos), tanto para os homens quanto para as mulheres, além de aumentar o tempo de contribuição.

A mobilização foi organizada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belém (SINSERB), Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Belém e Central Única dos Trabalhadores (CUT), contando com a participação de representantes da Associação dos Universitários e Secundaristas de Belém (AUSB) e de vários vereadores.

Alguns pontos da Reforma da Previdência do Governo Temer (PEC 287/16) que prejudicam os trabalhadores:
  • Exigência de idade mínima para aposentadoria a partir dos 65 anos para homens e mulheres;
  • 49 anos de tempo de contribuição para ter acesso à aposentadoria integral;
  • Redução do valor geral das aposentadorias;
  • Precarização da aposentadoria do trabalhador rural;
  • Pensão por morte e benefícios assistenciais em valor abaixo de um salário mínimo;
  • Elevação da idade para o recebimento do benefício assistencial (LOAS) para 70 anos de idade;
  • Regras inalcançáveis para a aposentadoria dos trabalhadores expostos a agentes insalubres;
  • Fim da aposentadoria especial dos professores.
Fotos: Israel França/Câmara Municipal
Com UOL Economia

Nenhum comentário: