sábado, 27 de maio de 2017

Liturgia: Solenidade da Ascensão do Senhor. Jesus oferece o “poder” de servir

Pe. Cícero Roberto*

Celebrar a festa da Ascensão de Jesus é celebrar a sua exaltação, a sua glorificação junto ao Pai, quando o faz sentar-se à sua direita. É celebrar, também, a fé e a esperança da nossa Ascensão. As leituras narram o fim da Missão terrena de Cristo; a vinda do Espírito Santo e a continuidade da Missão de Jesus pelos Apóstolos, pela Igreja, (At 1,1-11; Ef 1,17-23 e Mt 28, 16-20).

Celebramos a glorificação plena de Jesus Cristo junto ao pai, ao concluir sua missão, quando da sua primeira vinda, e o repasse da continuidade de sua missão terrena aos Apóstolos, com a incumbência de fazer de todos os povos discípulos seus, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, sob a orientação do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que vos ensinei, (Mt 28, 19-20a).

“Eu estarei sempre com vocês todos os dias até o fim do mundo”, (V 20b). Jesus conhecendo a pouca fé, as limitações dos seus apóstolos, para assumirem a missão que lhes é confiada, promete permanecer junto deles. É uma presença espiritual, invisível, mas real. Ele continua entre nós pela fé, pela Palavra, na recepção dos Sacramentos, em especial na Eucaristia, pelos ministérios eclesiais, como serviços de Deus oferecido a todas as pessoas de boa vontade, como disse Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”.

A Igreja, Comunidade instituída por Jesus, recebe dele o poder servidor e missionário, entregue nas mãos e no coração dos Apóstolos e de todas as pessoas que praticam os seus mandamentos. Essa Igreja, corpo de Cristo, tem a árdua missão de testemunhar ao mundo inteiro, e em todas as nações, a proposta de salvação e de libertação, vivenciada e anunciada por Jesus a todos os homens. O poder que Jesus confere aos seus Apóstolos é extensivo a todos os que nele creem.

Esse “poder” que Jesus confere à sua Igreja não é opressor, tirano ou político, mas é o do Servir, é o poder dos que se fazem servo, como o foi Jesus. Somente assim o testemunho cristão é autentico e eficaz, como nos ensina a Liturgia da Palavra da Ascensão. É o que ensina Jesus, é o que devemos fazer, através das nossas atitudes, dos nossos gestos de caridade...

A festa da Ascensão de Cristo reforça nossa fé e a esperança de nossa Ascensão. "Ele ‘subiu’ para dar-nos a esperança de que um dia iremos ao seu encontro, onde ele nos precedeu..." (Prefácio). “Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos”. Não podemos ficar parados, “olhando para o céu”. A fé é um dom que Deus nos dá e por isso, como discípulos, devemos partilhar, fazendo discípulos para o Reino. É o começo da construção de uma nova história, de um novo povo de Deus. É a maneira estabelecida por Cristo para manter-se sempre presente no mundo, no coração dos que obedecem a sua Palavra. Essa presença só é perceptível, de modo especial, na Eucaristia e nas atitudes do amor fraterno. Esse é o Caminho e a verdade que faz Jesus conhecido e amado pelas pessoas de todas as nações.

Também, hoje, a Igreja celebra o Dia Mundial das Comunicações Sociais, com o lema "Comunicar esperança e confiança, no nosso tempo": "Gostaria que esta mensagem pudesse chegar a todos aqueles que diariamente, ... «moem» tantas informações para oferecer um pão fragrante e bom a quantos se alimentam dos frutos da sua comunicação. ... promovam uma cultura do encontro por meio da qual se possa aprender a olhar, com convicta confiança, a realidade" ( Papa Francisco). Que Deus oriente os comunicadores a um testemunho autêntico de fé e de justiça, para que sejam menos sensacionalistas...

Para refletir:

1. Quando a tristeza, o desânimo e a dor lhe atingir lembre-se da promessa de Jesus: “Eu estarei ao seu lado todos os dias...”

2. A tristeza, o desânimo e a dor, tudo passa, somente a esperança permanece. E um dia iremos morar com Jesus Cristo, na Casa do Pai... 

*Vigário da Paróquia N. Sra. da Piedade (Arara/PB)

Nenhum comentário: